Hospital Apóstolo Pedro se destaca entre os filantrópicos e avança na crise

Com uma gestão moderna, transparente e sempre atentas às oportunidades de captação de novos recursos, o Hospital Apóstolo Pedro tem conseguido avançar mesmo em momentos de grandes desafios.

No Brasil são aproximadamente 2.600 hospitais filantrópicos, no Espírito Santo 40, a grande maioria com inúmeras dificuldades. No ano passado o Hospital de Alegre passou por uma intervenção por parte do governo municipal após ter seu setor de esterilização fechado. 

A situação não é diferente em outros municípios da região sul. Muqui, Atílio Vivacqua, Castelo e até as maiores instituições em Cachoeiro passam por situações complicadas. 
As políticas públicas voltadas para a área de saúde são retrógradas, a tabela praticada pelo SUS, padrão de referência para os pagamentos dos serviços prestados pelas entidades filantrópicas que atendem a rede pública, está muito defasada, com uma perda acumulada gigantesca. 

Para driblar estas dificuldades o Hospital Apóstolo Pedro lançou um programa de private label, um cartão de vantagens onde o assinante paga o valor de R$40,00 mensais e tem direito a descontos em consultas, exames e até procedimentos cirúrgicos. A solução já tem rendido bons números para a instituição. Além disto o HAP investe na busca por profissionais de destaque nas especialidades oferecidas em seu Centro de Diagnósticos por Imagem.

“Este ano tem sido ainda mais difícil, tivemos até uma pedra em nosso caminho.” Lembra o Presidente Evaldo Farias, sobre o risco de deslizamento de uma pedra no morro do Cristo, que fica exatamente em cima da estrutura física principal do hospital.

“…mas estes desafios só servem para nos fortalecer e motivar ainda mais a nossa busca por um atendimento de excelência e a cada dia mais humanizado.” finaliza o Presidente.