Previsão de 15 mil empregos com investimentos para 2020 no ES

Com os sinais de melhora da economia brasileira após a turbulenta crise em 2014, empresas voltam a investir no Espírito Santo e ampliar a sua capacidade produtiva, tirando do papel projetos que estavam engavetados. A expectativa é que 2020 seja marcado por mais reformas econômicas, além da Previdência, que vão facilitar e impulsionar a expansão de diversos setores e abertura de mais de 15 mil vagas empregos.

Segundo a Federação de Indústrias do Espírito Santo (Findes), a expectativa é que o número de postos criados nos próximos 18 meses apenas nas indústrias existentes no Espírito Santo seja duas vezes maior do que os 5 mil funcionários que foram contratados neste ano. Hoje, o segmento emprega 214 mil pessoas.

A retomada, de acordo com Léo de Castro, presidente da Federação, vai ocorrer de forma gradativa para indústrias que são voltadas para a exportação, como a de minério, siderurgia e celulose, devido à briga comercial entre Estados Unidos e China. No entanto, indústrias voltadas para o mercado nacional, como a alimentícia, moveleira, de plástico, dentre outras, o crescimento econômico será mais rápido.

Léo de Castro

Presidente da Findes”Quem estiver qualificado, principalmente com cursos técnicos profissionais voltados para o conhecimento tecnológico, vai conseguir se reinserir na indústria 4.0. Vivemos em um contexto em que todos precisam aprender a reaprender para permanecer e se reinserir no mercado de trabalho, principalmente na indústria, que é marcada pela automatização e inovações”

“Aprovação de reformas são urgentes para impulsionar o desenvolvimento”

Com a aprovação das reformas da previdenciárias e tributária, que estão em discussão no Congresso Nacional, a expectativa, segundo Léo de Castro, é que o cenário econômico seja ainda mais favorável, proporcionando segurança aos investidores.

“O país está bem pautado em suas agendas e é preciso ter celeridade para destravar a economia e atrair investidores. Em paralelo ao cenário nacional, o Espírito Santo apresenta equilíbrio fiscal, o que facilita a expansão das indústrias locais, além de investimentos em âmbito nacional e internacional dentro do Estado”, acrescenta.

O otimismo com os sinais positivos da economia também é vivenciado pelo setor de construção civil, que prevê para o próximo ano a abertura de 3.000 postos de trabalho para a construção de 15 mil imóveis. Segundo o Presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Espírito Santo, Paulo Baraona, o setor ainda busca voltar ao mesmo patamar de crescimento que tinha antes da crise de 2014.

“Já tivemos cerca de 30 mil construções de imóveis por ano e 60 mil postos de trabalhos no setor, que foi diretamente impactado com a crise econômica, diminuindo para 12 mil construções e 39 mil trabalhadores empregados diretamente atualmente. A aprovação das reformas são urgentes para impulsionar o desenvolvimento e concretizar o planejamentos dos empresários do setor para um crescimento maior em 2020, que estima criar mais 3.000 postos de trabalho”, explica Paulo Baraona.

Expansões e investimentos em tecnologia

Ao perceber o aumento do poder de consumo dos clientes e o cenário econômico otimista no Brasil, indústrias e empresas de diversos setores trabalham para expandir os seus negócios. O Grupo Líder, por exemplo, responsável por concessionárias em todo o Estado, aproveitou momento econômico para inaugurar mais uma loja na capital.

Segundo o diretor José Braz Neto, não é apenas o consumidor final que voltou a comprar. Ele destaca que todo o processo econômico está otimista. “As fábricas estão empenhadas em vender e os bancos comprometidos em aprovar crédito, além de muitas liquidações. Tudo isso vem favorecendo o mercado, que está gradualmente retomando seu ritmo de crescimento”, explica.

A Placas Brasil, indústria capixaba de MDF com a sede localizada em Pinheiros, também aproveitou a retomada gradual da economia para investir mais de R$ 40 milhões na fabricação de painéis revestidos que serão lançados oficialmente no próximo mês. Até pouco tempo, a empresa comercializava somente painéis naturais. O investimento atual visa a conquistar o mercado de luxo e tem a expectativa de gerar 100 novas vagas de emprego nos próximos cinco anos.

Segundo o Gerente Comercial Sergio Possato, o lançamento dos painéis revestidos representa um momento estratégico na atuação de novos negócios e simboliza o ingresso ao mercado de produtos diferenciados com alto valor agregado. “Até então, atuávamos com a comercialização de MDF naturais e brancos, chamados commodities, e com a implementação destes investimentos e o incremento dos produtos revestidos visamos a atuar e desenvolver projetos para um mercado mais exigente”, explica.

A Marcopolo – dona da Volare, fábrica de ônibus em São Mateus -, apesar de não anunciar aplicações futuras, informou que está finalizando um investimento de R$ 14 milhões, que resultou na ampliação da produção de duas para cinco unidades dia e na ampliação do seu quadro de funcionários para 500 profissionais.

Ainda segundo a fábrica, o investimento foi destinado à ampliação da linha de produção e também para a verticalização da produção de componentes na fábrica de São Mateus. “Os componentes para produzir as carrocerias dos ônibus vinham de Caxias do Sul, no Rio de Janeiro, e até o final do ano serão produzidos em São Mateus. Também estamos desenvolvendo de fornecedores locais, no Espírito Santo, para atendimento das necessidades de peças e insumos”, informou por meio de nota.

 empresa WEG Motores, que tem uma filial localizada em Linhares, disse que, assim como nos anos anteriores, a empresa investe na melhoria e eficiência da unidade capixaba, assim como nos anos anteriores. Vale lembrar ainda que, em maio de 2018, a fábrica anunciou um investimento de R$ 140 milhões até 2022, na filial localizada em Linhares.

De acordo com Luis Alberto Tiefensee, diretor-superintendente da empresa, mais investimentos vão acontecer no decorrer de 2020 e a geração de emprego vai depender diretamente do crescimento da economia do país. “Os investimentos serão em diversas áreas, direcionados para melhoria de produtividade em geral, envolvendo otimização de produtos e melhorias em equipamentos usados na manufatura dos produtos”, ressaltou.

Novos supermercados também aquecem a economia e geram empregos 

Com expectativa de chegar a 2021 com 35 lojas no Espírito Santo, o Grupo Coutinho, responsável pelos supermercados Extrabom e Extraplus, prevê a abertura de oito lojas, contração de 1700 funcionários e a ampliação do faturamento para R$ 1,5 bilhão nos próximos dois anos.

A novidade é o investimento em uma nova bandeira de negócio, o Atacado Vem, que contará com duas unidades. A primeira loja tem abertura prevista para janeiro de 2020 e ficará localizada em Serra, próximo à entrada do bairro José de Anchieta,e vai contratar 150 funcionários até o final deste ano.

A segunda unidade do Atacado tem a inauguração prevista entre julho e agosto de 2020, em Muquiçaba, Guarapari. Para esta unidade, a Grupo Coutinho prevê a contratação de mais 150 profissionais em 2020, nas mesmas funções.

Além dos atacados, o Grupo prevê outras três inaugurações do Supermercado da Rede Extrabom e geração de 1000 vagas de empregos diretos e indiretos. As lojas estarão localizadas em Laranjeiras, na Serra; Marcílio de Noronha, Viana e entre os bairros Santo Antônio e Inhanguetá, Vitória.

Já as outras três unidades, sendo duas da bandeira Extrabom e uma Extraplus, têm inaugurações programadas para até 2021. Todas serão situadas em municípios da Região Metropolitana de Vitória. Para essas novas operações é esperado investimento de R$ 35 milhões e mais 550 vagas de empregos diretos e indiretos.