Mudanças climáticas causam danos à saúde infantil, diz relatório

Novo estudo alerta que o aquecimento global representa grande ameaça à saúde das crianças e pode influenciar o futuro de toda uma geração. A situação deverá ficar muito pior se não tomarmos medidas imediatas, dizem cientistas.

Em Nova Deli, na Índia, pediatras dizem que os pulmões das crianças não são mais róseos, mas pretos. O aquecimento do planeta já está afetando a saúde infantil no mundo todo e moldará o futuro de uma geração inteira, se não se conseguir limitar o aquecimento global bem abaixo de 2 °C, aponta o relatório da organização Lancet Countdown para 2019, que mostra o impacto das mudanças climáticas na saúde humana.

“Nos últimos 30 anos, vimos um declínio progressivo do número de mortes de jovens, adultos e de crianças”, disse à DW o pediatra Anthony Costello, copresidente da Lancet Countdown. “Mas o que nos preocupa é que todos esses ganhos possam ser revertidos se não enfrentarmos urgentemente o problema das mudanças climáticas.”

A pesquisa – compilada por 35 instituições globais, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Banco Mundial – mostra claramente a relação entre mudanças climáticas, destruição ambiental e saúde.

As temperaturas crescentes impulsionam a fome e a desnutrição, e geram um aumento das doenças infecciosas, em escala e volume, e uma frequência cada vez maior de eventos climáticos extremos, à medida que a poluição atmosférica se tornou tão mortal para o pulmão humano quanto o tabaco.

Calor e frio

A saúde de uma criança nascida hoje também pode ser prejudicada por eventos climáticos extremos, como incêndios e ondas de calor. Desde 2001, as populações de 152 países (de um total de 196) vivenciaram um aumento da exposição a incêndios florestais, resultando em mortes diretas e doenças respiratórias.

Por sua vez, as temperaturas recorde são particularmente preocupantes para os idosos com mais de 65 anos de idade. “Os impactos causados pelas altas temperaturas na saúde incluem exaustão pelo calor, hipertermia e agravamento de doenças cardiovasculares e respiratórias pré-existentes”, explica Prabhakaran. O calor também pode causar desidratação em crianças e idosos, apontam os especialistas.