Cidades capixabas com poucos casos de Covid-19 poderão retomar comércio, diz Casagrande

O governador Renato Casagrande irá se reunir com matemáticos e estatísticos na tarde desta quarta-feira (8) para verificar dados obtidos do novo coronavírus no Espírito Santo. Casagrande relatou a intenção de classificar regiões e municípios do Estado por situação de risco a partir das informações coletadas e analisadas pelos acadêmicos.

A avaliação pode dar mais liberdade para a circulação de pessoas ou intensificar o isolamento, dependendo dos registros de casos confirmados, suspeitos e das mortes. O funcionamento do comércio se dará dentro de protocolos de segurança para evitar a contaminação do vírus.

A classificação se dará com base em dados de confirmações, suspeitas e morte por coronavírus de maneira que se forme um mapa para aquela região. Se o município tiver poucos suspeitos, nenhuma confirmação, nenhuma morte, este município poderá receber no futuro uma classificação que dê mais liberdade para as pessoas circularem“, afirma Casagrande.

O encontro com matemáticos e estatísticos acontecerá na Sala de Situação, onde o Governo do Estado diariamente toma decisões para o enfrentamento da Covid-19. Ao fim do dia, espera-se que Casagrande faça um novo pronunciamento ou conceda entrevista coletiva à imprensa para informar os resultados da reunião desta quarta.

Projeções

O governador esteve em Cachoeiro de Itapemirim durante a manhã e concedeu entrevista para veículos de imprensa do Sul do Estado. Ele afirmou que o Espírito Santo atualmente tem 45 mil testes disponíveis e adquiriu mais 50 mil que estão vindo da China.

O Estado pretende realizar exames também em pessoas que não apresentam sintomas da doença. Segundo Casagrande, as informações das amostras coletadas podem auxiliar as análises e as decisões a serem feitas posteriormente.

Em breve nós vamos fazer exames em pessoas que não apresentam sintomas para fazermos uma amostragem estatística que nos dê garantia de uma modelagem matemática que possa projetar adequadamente o número de leitos que vamos precisar, o número de pessoas que serão contaminadas“, diz Casagrande.