Casagrande diz que número de leitos no ES deve dobrar até o final do mês

O governador também destacou que o Hospital dos Servidores Públicos, em Vitória, passará a prestar serviços de ortopedia

O governador Renato Casagrande, atualizou, em coletiva realizada na tarde deste sábado (25), a situação dos leitos de UTI nos hospitais estaduais diante da pandemia do novo coronavírus. 

“Nós estamos preparando o sistema de saúde. Na data de hoje,  24 de abril, nós temos, no sistema estadual, 184 leitos de UTI e 173 leitos de enfermaria”, afirmou. 

Na ocasião, Casagrande anunciou que, na próxima semana, o Estado entra na segunda fase de ampliação dos leitos exclusivos para tratamento da covid-19. 

“Até o dia 30 de abril, nós teremos 353 leitos de UTI e teremos 460 leitos de enfermaria. Então estamos saindo de 184 para 353 leitos de UTI e estamos saindo de 173 para 460 leitos de enfermaria. Estamos saindo de um total de 357 leitos para 813 leitos, mais do que dobrando o número até o final de semana que vem”, anunciou o governador. 

Segundo ele, durante essa fase de ampliação, o governo tem feito contratos também com hospitais particulares. 

Esses leitos estão distribuídos em diversos hospitais do Espírito Santo. Hospitais do Estado do Espírito Santo, filantrópicos e hospitais privados. Também estamos fazendo contratos com hospitais privados, sem atrapalhar os planos de saúde, sem interferir. Leitos que estão ociosos nós estamos contratando para que a gente possa ampliar nesta segunda fase. Vamos ter leitos em Aracruz, em Linhares, em Itapemirim. Esse trabalho de ampliação de leitos, para nós, é fundamental”, afirmou. 

Novos leitos no Jayme Santos Neves

O governador anunciou também que o Hospital dos Servidores Públicos, no Centro de Vitória, passará a prestar serviços de ortopedia, de modo que o espaço no Jayme Santos Neves seja liberado. 

“Eu vi lá no estado de Roraima, montaram um hospital gigantesco, e não tem como funcionar. Nós estamos aproveitando toda a estrutura hospitalar que nos temos no estado – pública, filantrópica, e privada – para que a gente possa avançar. Nós vamos utilizar o hospital dos servidores públicos para que a gente possa prestar serviços de ortopedia – vai ser um trabalho que vai liberar, por exemplo, espaço no Jayme Santos Neves”, destacou.