Extinção do auxílio emergencial leva 17 milhões de pessoas para abaixo da linha de pobreza

Quase 17 milhões de brasileiros passarão a viver em condições abaixo da linha de pobreza, após a extinção do auxílio emergencial decretada por Jair Bolsonaro, segundo estudo do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas. O corte no valor de R$ 600 para R$ 300 já fez brasileiros gastarem menos com comida e remédios

Pesquisa do Instituto Datafolha aponta que  75% dos beneficiários do auxílio emergencial reduziram a compra de alimentos, 65% cortaram despesas com remédios, 57% diminuíram o consumo de água, luz e gás e 55% deixaram de pagar as contas da casa por causa da redução do valor do benefício de R$ 600 para R$ 300. Mais da metade dos beneficiários também reduziu os gastos com transporte (52%) e/ou parou de pagar escola ou faculdade (51%). Cerca de 17 milhões de pessoas viverão abaixo da linha de pobreza a partir de janeiro com o fim do auxílio emergencial decretado por Bolsonaro.

Entre os que receberam o benefício emergencial, a parcela daqueles que sofreram uma redução de renda é de 51% em dezembro. Com o fim do auxílio emergencial a partir de janeiro, por decisão do governo Bolsonaro, a redução do auxílio emergencial pela metade já colocou a renda de cerca de 7 milhões de pessoas abaixo do nível de pobreza de até R$ 5,50 por dia em outubro deste ano, em relação ao verificado em setembro. Esse número deve subir para quase 17 milhões após a extinção do benefício, no início de 2021, de acordo com estudo do pesquisador do FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas) Vinícius Botelho

Por sua vez, Kristalina Georgieva, diretora do FMI (Fundo Monetário Internacional), afirmou que o fim prematuro do auxílio emergencial pode aumento da desigualdade, além de fazer com que o Brasil alcance a marca de 24 milhões de pessoas em situação de extrema pobreza, aponta reportagem do jornalista Eduardo Cucolo na Folha de S.Paulo.