Primeira a ser vacinada no ES fala sobre momentos após aplicação: ‘Não senti nada’

A técnica de Enfermagem Iolanda Brito recomenda que as pessoas não relaxem com as prevenção ao coronavírus mesmo com a chegada da vacina ao Estado

“Continuem usando máscara e lavando as mãos. Vamos nos proteger porque o negócio não tá bonito não. Ainda tem muita gente morrendo dessa doença”, recomendou a técnica de Enfermagem, Iolanda Brito, 55 anos, primeira mulher vacinada contra a covid-19 no Espírito Santo. Ela recebeu a aplicação do imunizante da CoronaVac na noite da última segunda-feira (18).

A funcionária do Hospital Jayme dos Santos Neves conversou com a reportagem do programa “Espírito Santo no Ar”, na manhã desta terça (19), em sua casa, na Serra. Ela alertou que, mesmo com o início da campanha de vacinação, as medidas de prevenção como uso de máscara e do álcool em gel continuam tendo que ser observadas.   

Após ser vacinada, a técnica em Enfermagem disse que está bem. “Não tive nenhum efeito colateral, não tive febre nem nada. Não virei jacaré igual muita gente está falando”, brincou. Iolanda aproveita a brincadeira e pede que as pessoas não deixem de confiar na vacina e na importância de se imunizar. “Ainda tem muita gente que não acredita na importância da vacina. Eu já fui imunizada mas ainda falta muita gente. A doença é perigosa e com essa segunda onda está mais forte, matando com muito mais rapidez”, alerta. 

Iolanda ainda está sob impacto da ‘fama’ repentina. “Fui dormir uma hora da manhã. Essa vida de celebridade não está sendo fácil”, brincou, feliz e aliviada por ter recebido a proteção contra o coronavírus. A rotina da primeira imunizada é corrida. Ela trabalha em dois hospitais, nas UTIs dos hospitais Jayme Santos Neves e Dório Silva, também na Serra. “A UTI do Jayme é mais pesada porque nela se trata pacientes graves de covid-19”, pontua. 

Ela não contraiu a doença, o que fez a família sentir muito orgulho. “Eles se dizem orgulhosos apesar dessa minha condição, por causa da minha idade e do meu trabalho na linha de frente em contato com doentes de covid”, explica. Ela ficou sabendo que seria a primeira a ser vacinada no mesmo dia. “Estava no meu trabalho, na copa tomando café e minha gerente me informou que eu havia sido escolhida para ser a primeira do Espírito Santo a receber a vacina”, relembra. 

Por causa dessa curva crescente no número de casos e mortes por covid-19, ela reforça que os cuidados de prevenção não devem ser ignorados. Máscara, álcool em gel e lavagem frequente das mãos ainda devem fazer parte da rotina mesmo com a vacina progressivamente no cotidiano brasileiro. “Continuem usando máscaras e se protegendo. Quem anda de ônibus continue usando máscara, lavando as mãos, usando álcool em gel porque essas atitudes é que são as ações de prevenção com eficácia. Vamos continuar se protegendo porque o negócio não está de brincadeira”, 

Com informações do repórter Arlesson Schneider, da TV Vitória/Record TV