Após vacinação, mortes de idosos entre 85 e 89 anos por Covid-19 caem 51% na cidade de SP

Em janeiro, houve 146 mortes e, em fevereiro, 71. Casos e internações também tiveram queda nesta faixa etária

O número de mortes por Covid-19 entre idosos de 85 a 89 anos na cidade de São Paulo caiu 51,3% em fevereiro de 2021, se comparado a janeiro do mesmo ano, segundo dados preliminares da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) obtidos com exclusividade pelo G1.

Os dados, que contemplam casos em todos os equipamentos, sejam eles municipais, estaduais, privados ou filantrópicos da capital paulista, mostram que as mortes dos idosos desta faixa etária recuaram de 146, em janeiro, para 71, no mês passado.

Para especialistas, a redução já pode já estar refletindo os efeitos da aplicação das vacinas, que começam a fazer efeito até 15 dias depois da aplicação – a Prefeitura de São Paulo começou a imunização dos idosos entre 85 e 89 anos contra a Covid-19 no dia 11 de fevereiro

Além disso, a queda de 53% do número de óbitos nesta faixa etária de um mês para o outro é a maior na cidade desde o início da pandemia – antes disso, a maior queda havia sido de 42,6%, de agosto para setembro de 2020.

Os números de internações e casos em idosos entre 85 e 89 anos também tiveram uma queda acentuada.

Para o infectologista do Hospital das Clínicas Álvaro Furtado da Costa, a vacina é o único fator novo que pode indicar queda de mortes nesta faixa etária em meio a recorde de óbitos.

“Estamos em um momento de crescimento dos casos e das mortes pela Covid desde o início de janeiro, e, desde o começo da pandemia, a gente tem dito que os idosos são os mais vulneráveis à doença. Eles obviamente são os mais resguardados e isolados. Com a chegada da vacina, essa proteção foi redobrada. Então, se a gente separar os fatores novos dessa conta, a vacina foi o único fator novo, além do isolamento, o que pode nos indicar, sim, que a vacina é tudo aquilo que há meses a gente defende, assim como o isolamento, que também é importantíssimo”, disse.